sábado, 14 de julho de 2012

A Lusófona, a universidade onde os políticos davam aulas uns aos outros, e as vice reitoras tinham cátedras por equivalência curricular de orgasmos :-)


Orgasmos da ex Vice Reitora, Clara Pinto-Correia





Não gosto muito de repetir textos, mas este é outro, de 2007, aquando da crise da Universidade Independente, que se tornou, subitamente (im)pertinente, portanto, aqui vai.

É voz corrente que a Universidade Lusófona é uma mera fachada para os políticos acelerarem os percursos académicos de muitos que os não têm, ou, sendo ainda mais cínico, uns, de habilitação duvidosa -- com as devidas ressalvas -- que, ali, "aceleram" os CNOs dos outros, com habilitação ainda mais duvidosa.

Só para quem possa estar fora do meio académico é que escândalos, como o de Fernando Santos, corrido, um dia, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, por razões que é melhor nem pôr aqui, para vocês não se assustarem, acorda, no dia seguinte, já como Reitor (!) da Universidade Lusófona...

Quanto a Clara Pinto-Correia, a célebre Vice-Reitora, é melhor não falar: entre plágios, velhos da Califórnia, chutos de tudo quanto era Academia séria, suponho que tenha tido uma equivalência em... orgasmos.

Segue-se o texto, uma bem humorada ficção, dedicada às pessoas sérias que andam a pagar, para tirar cursos sérios, numa instituição que já se percebeu o que era.

Não, ainda vou acrescentar, mais uma coisinha... isto é só a ponta do icebergue, e os objetivos políticos ainda são mais terríveis: em risco, vai ficar a Universidade, a cabeça de Nuno Crato -- a de Relvas já não conta -- e, em derradeira análise, a queda de Passos Coelho, o que muito agradará às piranhas do PSD.

Claro que não me esqueço, quando o assunto estava na versão 1.0 do software, do Reitor xexé da Moderna, a falar de "uma coisa horrível, que metia droga, armas e mulheres". Passaram dez anos, e já vamos na versão 10.5.3 do software. Façam a analogia, se puderem, ... e... fiquem com insónias :-)


Segue-se o texto, de 2007, do malogrado primeiro "Braganza Mothers":

"Ontem, tocou um dos meus telefones em escuta. Bocejei e atendi. Geralmente, costuma ser a Sheila, a contar-me os camionista que "fez", no IP5, mas foi, com grande surpresa, que reconheci a voz da Vice-Reitora da Lusófona.

Convite para jantar, de ali a uma hora, e sem hipótese de recusa...

Eu sei que a Histeria e a Ninfomania já não têm o significado que tinham, no tempo de Charcot, são, hoje meras Parafilias do Excesso, mas, pelo sim pelo não, telefonei ao Fado Alexandrino, para ver se me desenrascava desta, "pá, é assim, eu vou mandar reservar a mesa maior, a das conferências, no "Gambrinus", mas nós chegamos primeiro, e tu ficas debaixo, escondido pela toalha, para o quer e vier..."

Há alturas em que me apetece preservar a minha integridade física, e a Páscoa é uma delas... E lá fomos, o Alexandrino com uma coleira de picos, de Pitt-Bull, enfiei-o debaixo da mesa, compridíssima, ela chegou, já não me lembro se vinha toda de leopardo, se de pantera, mas acho que era misto de leopardo com hiena, umas botas de cano altíssimo, todas cheias de atilhos, tipo Madame Bobone, no tempo da Imperatriz Eugénia, de Montijo-Bonaparte.

O código era o seguinte: ela sentava-se numa extremidade da mesa, eu, na outra, com o Alexandrino todo enroscado, ao lado, caladinho que nem um rato. Se ela, de repente, começasse a avançar e a fazer abordagens, eu dava, com o pé, três pancadas no chão, o Alexandrino saltava, já com a língua a babar-se toda, e abocanhava-a, para a minetar, antes de que ela me atacasse a mim.

Combinado, amigos são para as ocasiões.

Eu gosto muito da Clara Pinto-Correia: acho que é o exemplo exemplificado do que deve ser uma carreira literária e académica, no Portugal Contemporâneo.

Aliás, para mim, com uma quarta-classe das antigas, é sempre intimidante ir jantar com uma Vice-Reitora.

Uma Vice-Reitora é sempre meio caminho andado para a Reitoria, e da Reitoria para o Ministério da Ciência e do Ensino Superior.

Ou seja, eu ia à mesma manjedoura do Poder.

Tudo nela cheirava a Ovário de Eva, mas essa cena dos Perfumes com Feromonas para atrair macho, dado o meu gene defeituoso, não funcionavam. Quer eu, quer o perfume, quer a táctica dela eram erros evidentes do "Intelligent Design": quando chegasse a hora, íamos todos direitinhos para a Reciclagem, e era a vida.

Ela estava excitadíssima com o Caso "Independente", eu ia pedir Linguado, mas achei que, com ela, era arriscado, e fui para os Salmonetes, enquanto ela quis -- "malgré" Sexta-Feira Santa, um "Cosido" à Portuguesa, e já se estava a preparar para mandar vir seis garrafas de "Dão Meia-Encosta", o que, no "Gambrinus", é como mandar vir à mesa seis copos de carrascão, mas o gosto é dela, quem sou eu, pobre mortal, para julgar as papilas gustativas de uma Vice-Reitora, tanto mais que por ali já passou tudo, até os eléctricos?...

Ficámo-nos, todavia, pelas três garrafas: nada pior do que uma Universidade ter de mandar outra vez para uma cura de desintoxicação alcoólica a sua Vice-Reitora.

Sabe, dizia ela, vamos ficar cheios de alunos!... É verdade, dizia eu, os Lindos Olhos de Mariano Gago já prepararam o colchão legal para as transferências, mesmo a meio do ano. Isto não há como Governo e Gestões de Privadas estarem em acordo para tudo se assemelhar ao Nirvana.

Quer ver o Edital?, disse-me ela, fui eu própria que o escrevi, ontem à noite!... e eu, pode ser -- pelo menos, enquanto lia o edital, não estaria a ser assediado...

Li, com atenção. Reparei que "aceder" estava escrito com dos "ss", ou seja, "asseder", como em "assédio"...

Querida, disse eu, o "c", antes do "e", lê-se como dois "ss", portanto, deveria estar aqui escrito, "[...] os alunos provenientes da Universidade "Independente", mercê do seu encerramento, poderão aceder, a partir de agora, às vagas existentes na Universidade "Lusófona"...

Verdade que "asseder" não se escreve assim?..., perguntava ela.

Não, querida, é "aceder"...

Pronto, temos lá uma tipografia, ao pé de nós, que faz sempre umas edições spé luxuosas, vamos fazer uma errata em papel couché, gramagem 120, vai ficar P-e-r-f-e-i-t-o e lindo!...

Nesta altura, já era o Alexandrino que me tocava com a mão na perna, para saber quando é que ela avançava, para a abocanhar, e eu, calma, calma, ela agora ainda está noutra... 

Não acha que fazemos bem em receber os sem-abrigo da "Independente"?, perguntava.

E eu, mas vocês não têm já tantos alunos?...

Ter, temos, mas nunca se sabe o que o Futuro nos trará. Acho que o Mariano foi F-a-n-t-á-s-t-i-c-o com o que fez. O Zé -- é assim que ela trata o Primeiro-Ministro -- vai ficar com o diploma nas mãos e a "independente" é fechada por irregularidades, ele fica ilibado, como aluno, das poucas-vergonhas que por lá se passavam -- acho que até se queimavam livros de termos, se compravam diplomas, e até de engenharia, uma coisa horrível, já viu um "engenheirio" comprar lá um diploma e depois acontecer uma ponte ficar dois metros acima da estrada que lhe dá acesso, como aconteceu na Zona Centro -- e eles vêm todos para a NOSSA Universidade!... E é já para a semana!...

(Nossa quer dizer dela e dos interesses do P.S. e afins)

Vocês, realmente, têm um quadro docente enorme, dizia eu...

E ela, aí -- começou a aproximar-se, para me falar ao ouvido, e eu começo a bater com o pé no chão, para o Alexandrino preparar a língua, mas graças a deus, apesar de um momento crítico de indecisão, só vinha mesmo falar-me ao ouvido...

Sabe a nossa "ratio", neste momento é de 1 Professor para 10 Alunos, o que é altíssimo, para uma privada...

1 Docente?..., dizia eu, 

... quer dizer, dizia ela, temos na Lusófona, neste preciso instante, um Militante para 10 Simpatizantes, do P.S., inscritos. O António Filipe, do P.C.P., por exemplo... Sabe que o Porta-Voz do Partido Socialista é colega de carteira do Vasco Franco?...

O Vasco Franco?..., o trapaceiro dos lambris?... Só a reforma antecipada conseguiu correr com ele da Câmara de Lisboa. Parecia os Tribunais, nem o 25 de Abril os conseguiu limpar!...

(Pausa)

Querido, hoje não vou assediá-lo, nem nada

(ouve-se um grunhido de desespero do Alexandrino, debaixo da mesa).

Estou cansadíssima. Ainda não recuperei do "jet-lag" de Toronto...

Toronto?...

Sim, fomos lá todos para o casamento do Nuno Graça Dias!..

Sabe quem foi o Padrinho?...

O Nuno Santos, da R.T.P.!... Um casamento lindíssimo!...

Quer dizer que o Arquitecto vai ser avô?...

(Pausa)

Querido, só se o Zé, entretanto, aprovar a legislação para adopção por casais...

Casais?...

Sim, casais...

Ah, sim, já entendi, casais "du même genre"... Olhe, dê-lhe os parabéns pela minha parte: já vão ser mais dois com direito a encornar, em Portugal. A minha querida sempre adorou casamentos gay. Imagine que já havia Toronto e legislação adequada cá, nos tempos em que o Mega estava para si, como os Lindos Olhos estão para o Mariano Gago. Kisses para si, e para o "Zé". Terça-Feira já o temos ressuscitado, na R.T.P.
Vamos abrir uma garrafa para comemorar Afinal, a culpa tinha sido da Universidade, aliás, em Portugal, como no Sherlock Holmes, o culpado é sempre o Mordomo, nunca as mordomias..."









[...] e diz ela assim, sim, porque eu já dou aulas há 24 anos, já sou Professora Universitária há 24 anos

e eu, isso, contando com as férias na Califórnia, não, e os "cut" and "past" nas revistas?...

(Pausa)

... já sabe que detesto que me fale na Califórnia... aquele velho horrível... (cospe para o chão)... bom, mas, se não fosse ele e, no fundo, tudo conta, e isso agora pouco importa, águas passadas, contas feitas, são, e são mesmo, 24 anos, a leccionar na Universidade!...,

e, eu, só me lembrava aquela anedota, contada pelo meu paizinho, do Américo de Deus Thomaz, que foi visitar a Orquestra Não-sei-das-quantas, devia ser da Emissora Nacional, e foram-lhe apresentar o homem do violoncelo, o Decano da Orquestra, já andava agarrado ao instrumento, salvo seja, há 50 anos, e o Américo Thomaz, o Cavaco da altura, vira-se para ele, e diz-lhe, 50 anos!?... e sempre a tocar o mesmo instrumento!?...,

e eu viro-me para ela, e digo, 24 anos, e sempre sem ninguém notar que você não sabe tocar?... [...]"








(Edição de dobre de finados, quando o Luís Filipe Menezes, que fez o Curso de Medicina, durante o PREC, avisou de que "é melhor estarem caladinhos", no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")





Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas

3 Responses so far.

  1. Como é que esta puta chegou onde chegou, só a abrir as pernas.
    Que país miserável

  2. Este pessoal era TODO posto na rua, para dar lugar à geração que melhores habilitações tem em Portugal, e está no DESEMPREGO!!!

  3. Uma das caras da podridão de Portugal