terça-feira, 7 de julho de 2015

Correio da Lola - "Adorei ver a trasladação do Eusébio para o Panteão, e espero que brevemente haja mais. Vai haver, não vai?..."


Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas



Querida Lola:

Estava a escrever um conto com o mar ao fundo, quando, de repente, liguei a SIC-Notícias e fiquei pregada ao sofá... Coisa mais linda, o nosso Eusébio, de charrete, a caminho do Panteão. Acha que para a semana vai haver mais?

Manuela BaPtista, Estoril, "Histórias com Mar ao Fundo"


Querida Manela:

Passa a vida nessa coisa das histórias com mar ao fundo, devia dedicar-se mas era a coisas verdadeiramente criativas, e mais rentáveis, como comentar futebol no "Prolongamento", ou no "Dia seguinte": acredite que, em dez minutos, aquelas bacoradas são pagas a preço de ouro, ao contrário dos seus contos de ouro que são pagos ao preço das coisas do nada. Devia estar a olhar para o espelho e a comer um "Bloody Mary", que quem a conhece emagrece. Claro que a compreendo, e deve ter sido linda, a trasladação do Eusébio, mas, como sabe, eu durmo de dia, para poder assegurar o trabalho da noite. Só deus sabe se aquela esquina gasta pelas minhas costas não acaba um dia também no Panteão; eu, por mim, vou deixar em testamento vital que quero ser toda enterrada, em campa rasa, no meio de soldados rasos, que me deem, depois de morta, tudo aquilo para que quis viver em vida. Ou ser enterrada viva, com os GNRs que andaram com o preto às costas, a gente a pagar, mas parece que foram todos escolhidos a dedo, como no tempo em que a Zsa Zsa Gabor Portas, "Missa Fardas", era Ministra da Defesa. A Europa a desfazer-se e nós com os cornos enterrados naquele espetáculo decadente. Sabe, há paúis de roçarem ânsias pela minha alma em flor, e muitas noites perdidas, a aviar árbitros passivos, que já nem a FIFA consegue comprar, mas vamos já responder à sua carta, que sei que é sincera, cheia de mágoas de coração e de olhar puro de menina que a menina é, e ainda acredita nos pais natais, das manhãs do Goucha. Pois é, filha, com os cortes orçamentais, houve uma fase em que deixaram de fazer aterros no Panteão, mas, com a retoma, lá arranjaram uma folga, para enfiar lá um dos três éfes. Feitas as contas, a Amália já lá estava, entrou o Eusébio, o segundo éfe, embora ainda lá falta o terceiro, mas já lá iremos, quando acabar a minha resposta. Como sei que a minha querida adora contos de orientalidades voláteis, uma espécie de permanente canto do rouxinol stravinskiano, eu também lhe vou contar uma fábula. A menina já pensou que, quando se der o Juízo Final, nessa altura, vai haver uma "rèssurreição" geral, e todos os mortos se vão levantar e voltar a ocupar o seu espaço vital terrestre, um Califado do ISIS e do levanta-te?... Já imaginou que, como os mais importantes estão todos no Panteão, vão ser eles os primeiros a acordar?... O Pantera Negra vai-se pôr de pé e vai... -- meu deus, quanto tempo faltará para esse Juízo Final?... -- vai-se levantar e já há de estar esfomeado, com aquele corpanzil todo e aquele cérebro minúsculo, a "rèssureirar-se", cheio de vontade de apanhar uma gaja pela frente, para lhe dar um enxerto de porrada, como dava na mulher e na filha, e nas meninas do apartotel da José Malhoa. Com certeza que também vai acordar com o cio, que o moçambicano é mesmo assim, não pode estar muito tempo sem andar a rebentar balizas de meninas púberes, e há de começar aos gritos de "cadê as pitas?"... Mas não vai haver pitas, só carcaças com milhares de anos, a darem à anca, como o solzinho fez, em 1917. Até aqui é tudo lindo, minha querida, parece uma fábula de La Fontaine, mas o pior vai ser a seguir, por que não é só ele que vai "rèssureirar" naquele Panteão: também vão "rèssureirar" vários ao mesmo tempo, e muito poucas fêmeas, para tanto macho. Já viu o que é o zombie, a pôr-se de pé, nas suas perninhas arqueadas, e aparecer-lhe imediatamente à frente a Sophia de Mello Breyner, a mãe da Solha da Coca, e ele a querer pregar-lhe logo um enxerto de porrada?... Vai ser horrível, imagine uma pessoa que acabou de despertar do longo sono da morte, e aparecer-lhe aos olhos o Eusébio da Silva Ferreira, a virar-se a ela e a dizer, "anda cá, para eu te pregar um chapadão na tromba, minha mula!..." Coitada da Sophia, que tanto odiava pretos quanto adorava efebos, vai ser muito mau, já a vejo a afastar-se imediatamente para o lado, embora ela a afastar-se para o lado ainda possa ser pior, por que, com a Amália, que nasceu no tempo em que se vendia a ginja... enfim, se bem está lembrada, a Amália também vai acordar esfomeada, cheia de vontade de garrafão, e de ser lambida, ou pela mãe da Lili das Orquídeas, ou pela sua querida Maluda, o seu último amor do tempo abafado do canto do sufoco. Não estou a ver uma Amália, com o seu cio específico, do "lá lá lá lá lá", a pôr-se a jeito, para levar nas fuças, do Pantera Negra, não acha?... Creio que vai haver resistência, e, mesmo, briga feia, por que a Amália tinha pelo na venta, e isto pode acabar com intervenção da GNR, que esperemos que nessa altura ainda continue a haver dos bons... E, pensando bem, a coisa ainda se pode agravar, não vá o Fernando Pessoa vir dos Jerónimos, na forma de algum heterónimo fêmea, como a "Maria José", e entrar no Panteão, para apanhar logo uma lambada negra nas fuças. Isto pode ser muito, muito, grave, e, como sabe, como a Eternidade é tão longa como o tempo que Portugal e a Grécia vão levar para pagar a dívida contraída pelos seus BPNs, BES e BPPs, isto pode querer dizer que, probabilisticamente, já é possível que, nessa altura, também já estejam no Panteão a Clara Ferreira Alves, a Clara Pinto Correia, a Maria Cavaca e a Margarida Rebelo Pinto. A Maria Barroso espero que não, por que é uma senhora. E o Galamba também pode aparecer, mas não conta, por que não tem rata, acho.... E, mais fundo do que esses todos, já no Panteão vai finalmente estar o terceiro éfe, nas pessoas da Irmã Lúcia, da Jacintinha e do Francisco. O Francisco, coitado, não conta, por que nem vai perceber que "rèssureirou". A Jacinta é de fracos horizontes, e arrisca-se a ficar cheia de nódoas negras do Pantera, e voltar a morrer, de maus tratos. Já a Lúcia, coitada, é uma crueldade bater numa invisual, que só num país destes se pode acreditar em que uma cega e amblíope tenha visto o solzinho a dançar... Quando muito, sopraram-lhe ao ouvido que estava qualquer coisa a acontecer, e ela também não desmentiu, para não ser mal educada. Posso ser sincera?... Destas cenas de violência doméstica, a que mais me dói, ou vai doer, se ainda estiver neste Mundo, ou, quem sabe, também metida no Panteão, para acabar por levar no focinho também, mas o que mais me vai doer é mesmo a Lúcia a ser espancada pelo Eusébio, já que a mulherzinha, coitada, com o voto de silêncio que fez, nem guinchar vai poder, e isso acho mau, muito mau, por que é o silêncio da voz silenciosa que nem a dor do seu tormento pode exprimir. E assim ficamos. Não sei se respondi à sua carta, mas olhe, querida, eu bem tentei. Kisses.

5 Responses so far.

  1. querida lola

    não sei quem me responderia melhor,
    estou com a Jacintinha, vejo o solzinho a dançar

    manuela baPtista

    :))

  2. Vizinhos chamam a polícia por barulho e alegadas agressões a uma mulher
    Publicada em 18/10/2007
    PSP em zaragata de Eusébio


    Foi Eusébio da Silva Ferreira, a estrela maior do futebol português, quem
    abriu a porta, na madrugada de terça-feira, a dois agentes da 10.ª Esquadra
    da PSP de Lisboa, chamados a acorrer a queixas de vizinhos contra o barulho
    e gritos de uma mulher num prédio da Rua Actor Taborda, em Lisboa.
    A patrulha da esquadra da Rua de Arroios, da 5.ª Divisão do Comando de
    Lisboa da Polícia, bateu à porta do apartamento, "alugado por um amigo" de
    Eusébio, ao Saldanha, cerca das 5h30, confirmou o próprio ex-jogador ao
    24horas.
    "Eu abro a porta às pessoas e abri... e [os agentes] entraram lá e não me
    viram bater numa mulher", disse Eusébio.
    O antigo futebolista, de 65 anos, franqueou-lhes a entrada - "tenho a chave",
    disse - mas, segundo várias testemunhas, os agentes puderam testemunhar a
    lamúria da mulher com quem se encontrava, de cerca de 30 anos.
    "Os agentes foram lá chamados, mas à sua chegada, já não havia nada. E
    ninguém quis apresentar queixa. A polícia limitou-se a fazer uma
    participação" a justificar a saída do carro-patrulha para o local, confirmou
    fonte policial.
    "[Os agentes] falaram com a moça", mas foram-se embora sem qualquer queixa,
    sublinhou o ex-futebolista.
    "Se eu lhe tenho batido era preso", acrescentou.
    O residente que fez a chamada para o 112 e denunciou a situação tem outra
    visão dos factos.
    "A senhora agredida não terá sido hospitalizada porque os agentes da PSP não
    chamaram nenhuma ambulância. A senhora deve ter saído do apartamento com os
    agentes, porque gritava que não queria continuar mais naquele sítio, que se
    queria ir embora", contou ainda ao 24horas.
    De acordo com a mesma testemunha, que pediu para manter o anonimato, apesar
    de a mulher não ter sido transportada para o hospital, "a violência física"
    foi "brutal". Segundo a sua descrição, ouviu-se um "barulho ensurdecedor de
    arrastar e atirar móveis, a ponto de acordar toda a vizinhança".
    Outra testemunha, também residente no edifício, descreveu o que ouviu: "Era
    uma confusão e aquilo tudo a rebolar pelo chão fora".
    Esta mesma pessoa garantiu ao 24horas já ter visto Eusébio "bater numa
    mulher mesmo à porta" do prédio. "É um bruto", acusou.
    Sobre a mulher que terá sido agredida na madrugada de terça-feira, esta
    mesma testemunha assegurou não ser a primeira vez que a vê na companhia do
    antigo jogador de futebol.
    "Vem para aí muita vez. E desta vez gritou 'Ó da guarda'. Hoje [terça-feira]
    ouvia gritar 'acudam-me, acudam- me'", contou. "Não é a primeira vez que
    eles [os agentes da PSP] cá vêm", garantiu. O apartamento onde os agentes
    bateram à porta é, disse Eusébio, "alugado por um amigo".
    O "embaixador" do clube da Luz não faz uso permanente da habitação. A sua
    residência habitual fica no Largo de São João Baptista, ao Lumiar, também em
    Lisboa.
    "Às vezes está um mês sem cá aparecer, outras vezes 15 dias. Vem cá passar a
    noite", disse a mesma testemunha.

    in 24Horas

  3. Santo súbito, santo já!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!...

  4. Dava brutos enxertos na Flor, por causa da casa de putas que ela tinha em Luanda. O patrão nunca deve frequentar os mesmos corredores dos clientes :-)

 
 

Blogger news

Blog Archive