sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Correio da Lola - "Moro em Sesimbra, e estou cheia de medo de que o "Lyubov Orlova" venha dar à costa aqui, e os ratos canibais comam os meus filhos todos..."


Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas


Querida Lola:


Sou uma sua leitora atenta, e tenho todos os seus textos na prateleira da minha biblioteca de favoritos, ao lado dos plágios do Miguel Sousa Tavares, dos livros de piadas para adormecer, dos "Gatos Fedorentos", do "Ovário de Eva", de Clara Pinto Correia, e dos inéditos, escritos depois de morto, do imortal Saramago. Adoro as brisas do mar, aqui, e os pescadores, de tora grossa, de Sesimbra, mas li no "Correio da Manhã" que vinha aí um navio fantasma, cheio de ratos canibais, que até podia encalhar, aqui, em Sesimbra!... Que acha que faça, que venda já a minha casa aos Chineses, que a alugue a uma família de escravos moldavos, ou emigre, como recomenda o Sr. Primeiro Ministro?...

Glicínia Quartil, Sesimbra


Querida Glicínia:

Adoro mulheres, com nome de flor, que me escrevem. E também percebo toda a sua preocupação, por que um navio à deriva, cheio de ratos, pode dar à costa em qualquer lado, sobretudo em Portugal, onde aparecem a boiar tantos fardos de coca, das lanchas rápidas da Fonte da Telha, do Guincho e da Nazaré, onde nunca se percebe se se está a surfar uma onda se a surfar uma onda de sacos da "branca"... Mas a isso, querida, já nós estamos habituados. Que seria de um país, onde o Sr Aníbal, de Boliqueime, destruiu as Pescas, para as substituir pelo tráfico do "peixe" em pó?... É o "pügrèsso", meu amor, e quem somos nós, eu, uma pobre traveca, e você, uma bronzeada de Sesimbra, viciada em ser comida por pescadores e filhos de pescadores, para combater o "pügrèsso"?... Devemos é aderir, de peito inchado, e a sorrir, como aconselha a boca da servidão de Boliqueime. No entanto, se me escreveu, é por que confia na minha intuição feminina, e a minha intuição feminina (com chicote), vai acalmá-la, querida, por que isto, com as alterações climáticas e a pré campanha eleitoral para as Eleições Europeias, cheira-me... deixe que lhe diga, que o "Lyubov Orlova" vem direitinho para a Praça do Comércio, e que o Sr. Presidente da Câmara de Lisboa, futuro Presidente da República Portuguesa, até já tem tudo preparado, e vamos ter um gigantesco Festival de Primavera, para esquecer a Crise, e mostrar que Lisboa é a cidade mais "cool" do Mundo... ---para vir passar três dias, fazer umas merdas que já não se podem fazer em mais nenhuma cidade civilizada do Mundo, e... e.... e... nunca mais voltar -- senão para assistir ao "Festival Lyubov Orlova", com queima das fitas, praxes, e muitas b'zanas e overdoses... Isto, querida, é o lado político da coisa, o lado Marine Le Pen, se quiser, por que, depois, também há o lado biológico, e isso tenho de a informar, por que já andei a pesquisar umas coisas, e tenho uma investigação científica preparada, que só está à espera de bolsa, aprovada pela fêmea do Ministro Nuno Crato, a Bacharel Superior de Educação, Luísa Borges de Araújo, e vamos ver se tenho sorte desta vez. Como sabe, meu amor, os ratos começam por ratar tudo o que têm à mão, aliás, à boca, desde madeira, borracha, plásticos, panos, ações do BPN, sei lá, tudo o que der para roer, e, excetuados os ratos sucateiros, do tempo do Bacharel Sócrates, chegam ao metal, e... param. Foi aí que começou o problema mais sério, por que, nada mais havendo para ratar do que o metal, tiveram de se começar a comer uns aos outros, salvo seja, e entramos num horroroso ciclo de canibalismo, misturado com crias da coadoção, que mal eram paridas eram devoradas por multidões de guinchadores, peludos, e fedorentos, com uma fomeca do diabo. Agora, querida, sendo racional, analítica, e científica, e aplicando o darwinismo puro e duro, foram os ratos mais fortes que foram comendo os ratos mais fracos, como já dizia o Padre António Vieira. E isso deve ter sido uma coisa atroz, tipo a "Casa dos Segredos" e os metadiálogos do pai do Cláudio Fernandes com as mamas da Teresa Guilherme. Agora, para nós, que somos fêmeas, a menina, fêmea de fenda, e eu, fêmea de "chicote", pode imaginar que, no meio de uma carnificina destas, quem triunfou, ou seja o último rato a comer o penúltimo rato do "Lyubov Orlova", não foi um rato, mas uma rata, por que nós temos uma estrutura muito mais resistente, e costumamos sobreviver sempre ao óbito do macho!... Por tudo isto, coração, quando o "Lyubov Orlova" encalhar no Cais das Colunas, com o António Costa, vestido de libré, e a Banda da GNR, a tocar o hino da "Maria da Fonte", o que vai sair do casco arrombado vai ser uma gigantesca rata, esfomeada, do tamanho de um elefante, e aqui entra a minha voz da experiência: mal ela saia do casco arrombado, vai querer comer ainda mais, como o Ferreira do Amaral ou o Zeinal Bava!.... Ora, uma rata esfomeada só tem dois caminhos: ou é heterossexual, adulta e ativa, como o Carlos Cruz, e vai querer comer mais ratos, ou se transformou, só a Irmã Lúcia e o Papa Francisquinho saberão por quê, numa rata fressureira, ávida de outras ratas, e  ainda se atira, sem avisar, à nossa querida Margarida Martins, isola, isola, isola... Quanto a mim, que conheço tão profundamente a desordem dos sentidos que preside ao feminino profundo, inclino-me mais para a hipótese de termos mesmo uma gigantesca rata heterossexual ativa, cheia de vontade de papar mais ratos!... E, aí, vai se lhe defrontar a crua realidade portuguesa, onde estamos infestados de casados e pais de três filhos, ou seja, de falsos "ratos", que se comportam como "ratas", e, mal percebam que vem aí uma esfomeada mor, a Hiper-rata, a Rata todas as Ratas, como diria Fernando Pessoa, super babada, sebenta e fedorenta, do "Lyubov Orlova", fogem todos imediatamente, como diz o ditado: "os ratos, mal se sentem ameaçados, são sempre os primeiros a abandonar o navio". E aqui vai começar a parte mais triste deste festival, por que, não sendo a Rata Fedorenta do "Lyubov Orlova" uma rata fressureira, NUNCA aceitaria o supremo vexame, contra a Natureza, de ter de desembarcar em Lisboa, e, ainda por cima, para se ver forçada a devorar ratas do mesmo sexo, pelo que é normal que sofra uma crise psicótica, como a do Renato Seabra, e se comece a autodevorar, ou seja, a comer-se a si mesma, como já tantas vezes sucedeu... Agora, filhota, isto vai ser lindo, por que, em pleno "Festival Lyubov Orlova", com o António Costa a fazer-se às Presidenciais e a Margarida Martins ao Parlamento Europeu, enquanto a Rata Fedorenta se devora a si mesma, já me parece estar a ver a Praça do Comércio cheia destes chinesinhos, de "visto gold", que não têm onde cair mortos, a pensar que aquilo também é "Cultura", como os "Mirós" do BPN, e vai ser uma chuva de flashes de selfishes, com os Instragams a encherem-se de olhos em bico gold, em primeiro plano, enquanto a rata se autocanibaliza, até só ficar um monte de ossos fedorentos no chão. Quanto aos seus filhos, meu amor, não se preocupe, já que, se não vão ser devorados por ratos canibais, cheios de peste, um dia haverá em que acabarão nalguma "brincadeira", do Meco, ou arredores. Vai ser horrível, querida, eu sei, mas o que tem de ser tem mesmo muita força, fofa. Kisses nos seus grandes lábios, desta toda, toda, toda, sua, Lola.
 
 

Blogger news

Blog Archive