domingo, 27 de setembro de 2015

conto de outono

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas

Foi então que o rei espirrou. É certo que soprava aquele vento do entardecer que surge vindo não se sabe de onde e se vai embora ao romper da lua e permanece a noite calma e o canto das corujas nos ramos superiores das araucárias e dos castanheiros.
Logo se fez saber que o rei espirrara e de norte a sul do seu reino muitas foram as gentes que se propuseram tecer-lhe um manto, leve como um suspiro, quente como o sol, dourado como o mel das urzes. Mas o rei recusou.
Os caçadores furtivos limparam as armas, carregaram-nas de balas, afiaram as facas e fizeram-se ao caminho. Mal soube o rei desta demanda, ordenou aos animais de grande e pequeno porte que fugissem e juntaram-se os ursos e os linces, os arminhos, as martas e os castores, as raposas, os chinchilas e os coelhos e os seus pelos abundantes brilhavam e o rei observou como era belo esse mar ondulante de animais, mais pacíficos e ternos do que os homens.
E uma a uma, recolheu todas as folhas do outono que aquele vento do entardecer espalhara. Com uma agulha e linhas finas foi-as costurando e rendilhou-se o coração do rei e passadas quatro luas deu por terminado o seu manto. Era leve, quente e dourado como o mel e nunca se vira um manto assim.


3 Responses so far.

  1. Eles ficarão agradecidos: passam à eternidade, na forma dos fragmentos de folha de laca de uma lua japonesa :-)

  2. Kika says:

    Kriu?

    Isto dos reis e dos reinados já deu o que tinha a dar, por isso, vou passar uns dias à Catalunha e espero sobrevoar a fronteira com a França pois lá estará a minha querida amiga Linda de Suza à minha espera para me abraçar...

    Imaginem o que será sobreviver em França com apenas 400 francos franceses mensais...

    Até breve!

    Kriu!

  3. says:

    Por cá, com o Intermarché, 50 escudos chegam para matar saudades...

 
 

Blogger news

Blog Archive