domingo, 18 de outubro de 2015

Buddha

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas

Devemos compreender que o corpo é impermanente como
um recipiente de argila
E que os fenómenos, como as miragens, são desprovidos
de realidade intrínseca.
Depois de destruirmos as perigosas armas do apego - que
são atraentes como as flores -
Poderemos mesmo ultrapassar as visões da morte.

Buddha


12 Responses so far.

  1. Buddha fala-nos da impermanência do corpo
    para melhor entendermos a da alma

    (não foi isto que escrevi no outro lado, considere um acrescento)

  2. com os ouvidos de Buddha, gostava de escutar esta água nas pedras ou argila, não sei


    seria experimentar a impermanência

  3. "Poderemos" é hipotético. O rumo presente deixa que nos fundamos com a água, o som da cascata, as coisas infinitas

  4. says:

    Anda por aqui um feiticeiro de Oz a saudar os ensinamentos de Buddha...

  5. .

    .

    . talvez a Jacintinha seja a única . não desprovida de realidade intrínseca . :) .

    .

    .

    . "Todos vão morrer, mas ninguém está morto." . (. Provérbio Tibetano .) .

    .

    .

  6. Estava tão calminha,
    benzó-deus,
    na maior paz do senhor, dia de descanso, já começaram de profundis as vozes a clamar pela inválida. Estou bem, e recomendo-me, não sou budista por que os budistas são uns abusados, querem sempre reincarnar, não lhes chega uma vida de depravação, A única vez que estive junto de um budista foi do Dalai-Lama, olhou para mim, branquinha, e ainda hoje estou para perceber o que lhe passou pelo olhar, se ele andasse no XSocial, tinha-lhe perguntado quantos centímetros e se era ativo ou passivo. O Dalai Lama tem ar de versátil, eu acho que estou para lá de versátil, já que, como não me consigo mexer, sou obrigada a fazer não só tudo o que eles querem como tudo aquilo que eu acho que não queria,
    acho,
    que como não sinto nada, ao fim, peço sempre a fatura com NIB, para tentar ler no papel o que me assucedeu...,
    benzó-deus,
    sempre maltratada, a única pessoa que tratou com compaixão já lá vão 100 anos, viu que eu era analfabeta, e fez para mim o número da Salomé on the sky with diamonds, deu à anca e dançou rap com o vestidinho branco, se isto não é a morte, então onde é que está a morte, hoje, toda a gente me estende a mão, mas como não tenho sensibilidade, onde eles me põem a mão a mão fica, até que me tirem de lá a mão. Quem vir aquilo pensa que sou ninfomaníaca, mas não sou, sou só uma acamada maníaca entre umas quantas ninfas,
    bem hajam,
    com compaixão

  7. Jacintinha Marto, quem a conhece enriquece :-)

  8. Arrebenta says:

    Muito gostam vocês da Jacinta :-)

  9. ki.ti says:

    eu também gosto muito da Jacintinha


    é uma espécie de Dorothy, mas de rodinhas, sobre a estrada de tijolos amarelos

  10. Eu desde que ando a lamber o mel da colmeia da cueca da gaja que se vai divorciar por não ver nabo há mais de 6 meses até ando apardalado neuronalmente e com a língua mais solta. O bafo é o que se sabe, do melhor perfume que já se cheirou e snifou que nem cão cheira cus tem essa sorte ao dar de fucinho na nesga da cadela vira latas com o cio do dono malvado do lado.

  11. Larguem a aleijada, por amor da santa!!!
    Maus tratos a aleijadas dão direito a queixa!!!
    Se vócêzes soubessem o que eu sofro, montam-me sem compaixão, não percebo como o Partido dos Animais só elegeu um deputado, com tanta base de apoio!!!...

  12. Jacinta brevemente me vou juntar a você

 
 

Blogger news

Blog Archive