domingo, 8 de novembro de 2015

lanceolada

Neste blogue praticam-se a Liberdade e o Direito de Expressão próprios das Sociedades Avançadas

Cloud Sisters de Maggie Taylor



Alice era a mais velha. Acordava antes dos pássaros e deitava-se quando já todos dormiam. Era sólida como os carvalhos e tinha a beleza antiga dos rios antes do degelo. Prendia os cabelos em duas longas tranças e quando se ria a casa abanava e o cão escondia-se debaixo da mesa. Era corajosa, curava os galos da testa e as feridas nos joelhos e sabia ouvir os segredos que lhe contávamos e queríamos guardar. Pegava na faca e barrava de manteiga as fatias de pão e dizia, se tu quiseres. Assim, se tu quiseres e nós já sabíamos que era ela que queria, que precisava, que nos estava a pedir. Ninguém resistia, porque querer, é todo um caminho que nos leva e na volta a estrada é outra e à primeira trincadela estávamos já rendidos a dizer sim. Quando o sabor salgado da manteiga atingia o céu da boca, ela punha-nos a dobrar os lençóis, a regar o canteiro das túlipas, a separar as gemas das claras.
Não tolerava a mentira e apanhava-nos na mais inocente delas, mas espantosa era a sua capacidade para resolver equações. Do primeiro e do segundo grau. E somava, multiplicava e dividia sem precisar de lápis ou papel. Poderia ter ido longe, diziam. Mas não fora, ficara ali junto de nós e quando todos partimos ela permaneceu. As florestas de carvalho não mudam de casa e é dela que eu me lembro quando sinto uma necessidade absoluta de confiar.
Tantas foram as voltas e as contravoltas da minha vida, mas quando procuro as minhas raízes, encontro-as. Nos dedos finos de Laura, no rapaz lua que Deolinda me bordou e que sou eu, na coragem de Alice.
Regressamos então os quatro, eu e as minhas irmãs à casa da infância e alguém diz, se tu quiseres e soltamos os segredos guardados, dobramos e desdobramos os nossos sonhos e até o cão que é porventura outro e não o mesmo, perde o medo e sai debaixo da mesa. Alinhamos pequenos frascos cheios da terra dos lugares que habitamos, Alice não, a terra dela é esta, lá fora, a das tranças, a da beleza antiga dos rios antes do degelo.
Amanhã talvez chova ou seja apenas inverno e eu insonoro e invisível no meu cavalobranco.

 terceira voz: Alice


 
 

Blogger news

Blog Archive